terça-feira, julho 04, 2006

A essência

A essência da vida são os outros. A nossa época é-lhes contrária por várias estupidezes. As pessoas vangloriam-se de ser independentes, individualistas, auto-suficientes, egocêntricas, únicas, solitárias, livres. Dizem: “Quero lá saber o que os outros pensam!” sem perceber a terrível vaidade que isso implica.
Para ter a noção do pouco que valemos, basta subtrair ao que somos o que aprendemos, o que lemos, o que vivemos com os outros. É só ver o que fica. Coisa pouca. Sózinho quase ninguém é quase nada. É somente juntos que podemos ser alguma coisa. A verdade é que devemos tudo a quem já deu, já morreu, já disse, já escreveu. E a nossa felicidade devêmo-la, não a nós próprios, mas a quem vive ou viveu ao pé de nós. Será isso o que custa tanto a aceitar.
(...) No pouco tempo em que vivemos e trabalhamos, limitamo-nos a acrescentar um ponto ou outro à soma que já existe. Um dia morremos. A morte é o preço que se paga pelo facto de vivermos tão facilmente. Pelo facto de não termos de inventar a língua que se fala de não escrevermos os livros que se lêem, de não fazermos o pão que se come, de não sermos obrigados a estabelecer e a negociar as regras com que se vive.
Os outros são a sorte que nos cabe, são o azar que nos calha. São o nosso último recurso e a nossa primeira obrigação. Esta é a essência da sociedade. Enriquecemos quando os outros são ricos, empobrecemos quando eles são pobres. Deixêmo-nos de betices. O sentimento mais importante de todos é a solidariedade.
(...) Os outros são a nossa única justificação possível. Segui-los e servi-los , por questões de sabedoria e sentimento, é a nossa mais maravilhosa oportunidade.
O essencial é amar os outros. Pelo amor a uma só pessoa pode amar-se toda a humanidade. Vive-se bem sem trabalhar, sem dormir, sem comer. Passa-se bem sem amigos, sem transportes, sem cafés. É horrível mas uma pessoa vai andando.
Apresentam-se e arranjam-se sempre alternativas. É fácil.
Mas sem amor e sem amar, o homem deixa-se desproteger e a vida acaba por matar.
Philip Larkin era um poeta pessimista. Disse que a única coisa que ía sobreviver a nós era o amor. O amor, Vive-se sem paixão, sem correspondência, sem resposta. Passa-se sem uma amante, sem uma casa, sem uma cama. É verdade, sim senhores.
Sem um amor não vive ninguém. Pode ser um amor sem razão, sem morada, sem nome sequer. Mas tem de ser um amor. Não tem de ser lindo, impossível, inaugural. Apenas tem de ser verdadeiro.
O amor é um abandono porque abdicamos, de quem vamos atrás. Saímos com ele. Atiramo-nos. Retraímo-nos. Mas não há nada a fazer: deixamo-lo ir. Mais tarde ou mais cedo, passamos para lá do dia a dia, para longe de onde estávamos. Para consolar, mandar vir, tentar perceber, voltar atrás.
O amor é que fica quando o coração está cansado. Quando o pensamento está exausto e os sentidos se deixam adormecer, o amor acorda para se apanhar. O amor é uma coisa que vai contra nós. É uma armadilha. No meio do sono, acorda. No meio do trabalho, lembra-se de se espreguiçar. O amor é uma das nossas almas. É a nossa ligação aos outros. Não se pode exterminar. Quem não dava a vida por uma amor? Quem não tem um amor inseguro e incerto, lindo de morrer: de quem queira, até ao fim da vida, cuidar e fugir, fugir e cuidar?
(...) A essência da vida está fora de nós. Está nos outros todos juntos, sem lugar, sem tempo, sem saber como. A única coisa que temos é o amor.

CARDOSO, Miguel Esteves, "Último Volume", Assírio & Alvim, Lisboa, 2001, pp.71/2/3/4

7 Comments:

Blogger Cláudia said...

Fantástico texto. Irrefutavelmente real...

O amor. Sempre o amor. Vai ser sempre o amor a nossa maior sorte e o nosso maior azar.

Beijinho grande e obrigada pela visita. Pena que as minhas palavras te tenham deixado triste. :(

Espero que não seja sempre assim. Fica bem. ***

12:18 da tarde  
Anonymous Maria Paula said...

Magnífico!! Sempre gostei de ler o Miguel Esteves Cardoso, lembro-me de concordar sempre com ele...como hoje. Fantástico. Beijos.

1:38 da tarde  
Blogger escrevi said...

Porque será que achei que a primeira parte do texto tinha sido escrita para mim????

Um beijo.

2:46 da tarde  
Blogger zecadanau said...

Só para deixar o meu @braço no regresso a estas lides após uma breve ausência.

Zeca da Nau

4:47 da tarde  
Blogger zecadanau said...

Só para deixar o meu @braço no regresso a estas lides após uma breve ausência.

Zeca da Nau

4:48 da tarde  
Blogger wind said...

Excelente texto e perfeitamente de acordo:)
Esta música que colocaste é lindíssima;)
beijos

6:46 da tarde  
Blogger AmigaTeatro said...

E mainada!!!
Jinho, Dulce*

2:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home