segunda-feira, julho 03, 2006

Incógnita


Mais para além de mim
Havia outro.
Um outro que não via,
Nem falava.
Havia alguém que me prendia
Ao sonho
E à vida,
Mas eu, - pobre de mim –
Eu não sabia,
E um dia quis-me libertar
Abrindo as minhas asas desmedidas
Num céu que julguei ver,
Mas que o outro não via.
Então,
Vi que o céu não bastava às minhas asas
E esperei que o outro me apontasse
Um novo Céu.
Esperei inutilmente,
Porque o outro,
O outro nunca mais me respondeu.

ARY DOS SANTOS, José Carlos, "Obra Poética", Edições Avante, Lisboa, 1999, p.445
(Foto em www.trekearth.com)

6 Comments:

Blogger wind said...

A parte mais "calma" de Ary igualmente bonita.
beijos

11:11 da manhã  
Blogger augustoM said...

Como Ary escreve, os desencontros da nossa vida.
Um beijo. Augusto

1:24 da tarde  
Anonymous Maria Paula said...

Sempre Ary...Beijos.

2:30 da tarde  
Blogger José said...

Gostei da escolha, adorei a música.
Beijos doces.

7:31 da tarde  
Blogger lena said...

Ary sempre presente na sua bela poesia

uma escolha perfeita Dulce

o que aqui partilhas deixam-me sempre encantada

beijinhos doce menina

lena

9:21 da tarde  
Blogger margusta said...

Gostei muito do poema Dulce...conheço muito pouco de Ary dos Santos.
Beijinhos e uma boa semana para ti!

11:52 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home