segunda-feira, dezembro 03, 2007

Recordações

O primeiro dia, foi há tantos anos já! Pelo caminho foram-me falando de ti. Preparando o terreno para o encontro decisivo. De mão dada percorri a rua que me levava a casa enquanto a expectativa crescia dentro de mim. Teria eu sete anos ou talvez seis, já não o sei dizer. Sei apenas que me levaste pelo caminho mais longo. Viraste à esquerda antes da curva, naquela rua de muros altos percorrida. Ganhavas tempo - um tempo preenchido de palavras que eu tentava compreender. Chegados ao portão a expectativa tomava corpo em mim. Provavelmente aguardavas também expectante por detrás das cortinas da sala. Deves ter-nos visto chegar. Aberto o pequeno portão verde, pudeste emfim ver-me por inteiro. O que terás pensado? Ou estarias sentada no sofá, perdida em pensamentos? O ranger do portão a abrir ter-te-á acordado para a realidade, e de um pulo assomaste à janela protegida pela intimidade dos cortinados translúcidos. Eram macias e leves aquelas cortinas. Brancas e translúcidas todas elas, de um tecido acetinado que parecia acariciar os meus dedos de criança.
Ao entrar, recebia-me sempre aquele cheiro profundo das madeiras, desta vez envolvido pelo aroma doce das flores que colocaste num jarrão do corredor. Flores que terias colhido do jardim nessa mesma manhã. E tu, estavas mesmo ali, junto à velha arca a meio do corredor. Lembro o teu ar limpo e singelo. A tua voz meiga e o teu sorriso. A tua inequívoca timidez. O que lembrarás tu desse dia? Como o descreverias tu? O que terás sentido quando me viste entrar por aquela porta?
Já lá vão quarenta e três anos. Tanta vida já correu para nós duas ... Também eu já tenho rugas! Também eu envelheci! No teu rosto de hoje espelha-se tudo o que viveste e nele encontro também o reflexo de parte da minha vida.
Um dia quando partires, parte também a última haste das minhas raízes. O meu derradeiro elo. A última pedra do meu chão. Um dia ...

33 Comments:

Blogger Maria said...

É a roda da vida, Dulce....
Um dia uma das tuas filhas poderá escrever o mesmo, sendo tu a última haste...
É a vida, que é tão boa de viver enquanto... podemos...

Beijo

2:46 da manhã  
Blogger Júlia Coutinho said...

Querida Dulce,
Há meses e meses que me afastei dos blogs...
Regresso hoje para agradecer a alguns AMIGOS que contribuiram com a sua presença e o seu afecto para que o dia do meu 60º aniversário fosse tão espcial.
Obrigada, amiga!

5:57 da manhã  
Blogger viajante said...

Imensa ternura e beleza.
Bjs

7:16 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Ela ia gostar muito de ler o que escreveste.
Porque não lho mostras?
Estas manifestações de amor e carinho são tão importantes...
E não basta pensar que a outra pessoa sabe. É preciso dizer-lhe!
Diz-lhe, mostra-lhe o quanto lhe estás grata por ela existir.
Tenho a certeza que iria guardar até ao resto dos seus dias aquele pequeno texto que a sua única menina lhe escreveu com tanto amor.

Gostei muito.

Bjs

Escrevi

8:35 da manhã  
Blogger FERNANDA & POEMAS said...

Olá Dulce, ternurento.
Adorei...
Beijinhos
Fernandinha

3:01 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
a ternura,
de um sentir, terno . . .
*
xi
*

3:56 da tarde  
Blogger Bichodeconta said...

Um dia que espero esteja longe..Porque esse dia dói... Lindo o Texro, parabéns mais uma vez..om beijinho, ell

6:26 da tarde  
Blogger Rhiannon said...

Um dia... chega aquela saudade infinda que dói e acarinha, que confirma que há espaços que nunca serão preenchidos e que tão profundamente se guardaram em nós.

7:05 da tarde  
Blogger mfc said...

Um dia partiremos todos, e os outros sentirão o mesmo que fomos sentindo ao longo da vida.
Isso já é uma consolação.
É que as pessoas boas permanecem... nesses outros.

10:21 da tarde  
Blogger A. Jorge said...

Simplesmente delicioso!
Tudo o que dizes, é um exemplo de passagens que de uma maneira ou de outra todos nós vivemos e faz parte da nossa existência. Só que... este foi escrito de uma maneira que me arrepiou do princípio ao fim!

Um beijo

Jorge

10:58 da tarde  
Blogger Alecrim said...

Porque é que eu raramente tenho palavras para comentar os posts de que gosto mais?

2:06 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Hoje, quando liguei o computador, para vir ler o teu blog, (sempre na incerteza, escreveu ou não?!), fiz-me lembrar a mim própria um ceguinho que havia no Chiado (era ceguinho que se dizia) e que passava o dia a dizer:
"Auxiliai o ceguinho...
...tenha a bondade"
Passava todo o santo dia naquilo.
Assim estou eu agora:
"Escreva alguma coisinha...
...tenha a bondade..."

Bjs

Escrevi

6:12 da manhã  
Blogger Besnico di Roma said...

Que ternura.
O som de uma cancela de ferro que se abre, o aroma das madeiras e das flores, o tacto das cortinas sedosas que acariciavam os teus dedos de criança a luminosidade do local e a imagem que dela tiveste… Sublime descrição, em doses perfeitas, um encanto de recordação.
Beijitos Dulce, és um encanto.

1:37 da tarde  
Blogger Luis Eme said...

Um dia...

4:52 da tarde  
Blogger Ana Ramon said...

Perdi-me...

5:32 da tarde  
Blogger AnaG. said...

Um texto, cheio de emoções, sentidas...

Beijitos, Dulce.

9:29 da tarde  
Blogger wind said...

Um dia gostava de escrever assim uma prosa intíma cheia de emoções e sentires.
Beijos

10:33 da tarde  
Blogger Isabel said...

Não vale a pena pensares num dia que não sabes nem se virá, nem quando virá.
Saboreia lentamente cada momento que possam ambas comungar e vais ver que sentirás uma maior paz interior.
Tudo de bom para ambas

Bjnh

1:11 da manhã  
Blogger despertando said...

Um dia que vai demorar ainda muitos anos a acontecer, mas antes que ele chegue, faz chegar até ela esta mensagem tão sentida.
É bom ouvirmos e também é muito bom dizermos o que nos vai na alma.
Depois da morte de um ente muito querido para mim, nunca mais tive vergonha de dizer : "Gosto muito de ti"

9:30 da manhã  
Blogger luis manuel said...

Andei pelo dia especial, da "caçula" e da "primogénita".
Também pela Esperança (não desperança), nas mãos, no olhar, na boca... na vida que se alcançou, e se alimenta.
Em cada sonha, em cada noite dormida... (se eu) sabemos que nasce um mundo novo. Ainda que não o enxerguemos aos nossos minusculos olhos. Mas ele nasce, renova-se, cresce... e quer queiramos ou não, pensemos que podemos escolher... nós fazemos parte disso. E ainda bem.
Se eu soubesse ... esperar pelo mundo lá fora...!? as histórias de criança, voltam à vida, as princesas voltam aos sonhos, e a fome de vida não é mais do que o caminho que desejamos percorrer.
Há em todos esses sinais o "recomeço"... é assim, mesmo com a ausência súbita ou forçada, dos que nos acompanharam e nos deixaram presença forte. Não acontece substituição... há um recomeço, onde a voz teima ainda em estar presente...
Onze horas... segunda feira... 17 de Setembro... de novo à espera o vazio em silêncio... estranheza...
O mar, que não explica o profundo sentir. A praia, que afaga os pés, o olhar pelo horizonte. A recordação adolescente, sabendo o que se sente.
Introspecção...
Mais uma vez, o forte sentido do "renascer". Ser, querer, poder... repetir, viver intensamente o encontro com a maresia que reanima, em aromas sempre guardados.
(Hoje) ao fim da tarde o mar estava assim... Encontro.
Cinco da tarde... hora do chá !!! Hum, hum... cinquenta e um...
Um beijo amiga,

11:05 da tarde  
Blogger FERNANDA & SONETOS said...

Olá Dulce passei para desejar-te um bom fim de semana.
Beijinhos,
Fernandinha

12:48 da manhã  
Blogger FERNANDA & SONETOS said...

Olá Dulce passei para desejar-te um bom fim de semana.
Beijinhos,
Fernandinha

12:49 da manhã  
Blogger A. Jorge said...

Só para tedar um "alô" e desejar-te bom fim de semana!

Um beijo

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

1:42 da manhã  
Blogger o_cao_que_morde said...

Está a decorrer uma votação para Os melhor Blogs de 2007
No Blog O Cão Que Morde vota e divulga a iniciativa.

12:32 da tarde  
Blogger XupaNuPipi said...

Gostei muito da emoção destas palavras, recordei-me de Susana Tamaro e o Vai onde te leva o coração e de O meu pé de laranja lima e Veleiro de Cristal de JMde Vasconcellos... achei curioso o titulo desse livro blogosf´+erico, e como gosto de conhecer as faces do amor, comprarei. Sobre ele, gosto muito do poema da poetisa eleita ... Amor! se queres manda-me esta palavra apenas, senão
manda brandas, serenas, cinco petalas roxas de saudade. Foi de cor, se nao é assim é parecido, lol... Beijo ou abraço .-))

1:58 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Há janelas por abrir...

6:24 da manhã  
Blogger viajante said...

O �ltimo dia, foi h� tanto tempo j�.
3 de Dezembro.
Precisamos de novos textos, Dulce.

7:17 da manhã  
Blogger FERNANDA & SONETOS said...

Olá Dulce, passei para deixar-te um abraço com carinho.
Fernandinha

1:12 da tarde  
Blogger augustoM said...

É bom recordar quando as recordações são boas.
Um beijo. Augusto

1:36 da tarde  
Blogger des-encantos said...

sim gostei muito...
Mais uma vez, o forte sentido do "renascer'...O futuro tb começa
hoje..

5:15 da tarde  
Blogger A. Jorge said...

Onze dias sem ler nada teu?...
É muito tempo!!!

:)

Bom fim-de-semana

Um beijo

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

12:05 da manhã  
Blogger Su said...

lembrei....tanta coisa.......obgda


jocas maradas...sempre

9:14 da tarde  
Blogger Vanadis said...

Esse dia, é só um dia no futuro. Aproveita o presente. O teu texto é lindo e pos-me a pensar na minha mãe e no medo que tenho de um dia já não a ter ao meu lado a dar-me força...

Mostra o teu texto á tua mami. Tenho a certeza que vai adorar =)

2:40 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home