quinta-feira, setembro 21, 2006

Nostalgia

A nostalgia do primeiro dia de chuva. Acordar - a noite ainda menina - e o ruído da chuva lá fora a ganhar terreno ao sonho. Aos poucos, a percepção da realidade. O quarto ilumina-se com aquele clarão violento e esbranquiçado que precede o trovão. Ficam os sentidos alerta para o próximo estrondo ... para mais um estremecimento, até que o sono ganhe de novo a parada quando me aconchego e enrolo à procura do silêncio e do esquecimento.
No clarear do dia surpreende-me de novo o cinzento triste do céu que entrevejo através das cortinas - aquela luz mortiça própria dos dias de Inverno. Sei que chove. Ouço na estrada o ruído provocado pelos carros que rolam no piso molhado.
Penso que não me apetece nada levantar. Porque não ficar aqui? Enganar o relógio e a rotina e adormecer como se a noite apenas agora começasse?
Ponho os braços fora da roupa e logo arrefeço. É o frio que volta.
O telemóvel vibra pela décima vez lembrando-me que está na hora. Mas hora de quê? pergunto-me. Definitivamente desligo-o e começo a inventar desculpas para ficar ali. Perco-me em conjecturas complicadas e sonhos com o príncipe encantado. Dentro de casa o silêncio é completo. Volto-me para o outro lado e entreabro os olhos para avaliar a luz que me chega da rua.
Tenho que me levantar! Tenho fome! Os sentidos já despertaram por completo e obrigam-me a encontrar justificações para me pôr de pé. Tão diferente, este levantar em dias de chuva! Tão diferente dos dias longos e claros do Verão em que acordo, e como uma mola, salto da cama.
Agora já com o pequeno almoço tomado e sentada à mesa do café, vejo pela montra a chuva que cai. Quero concentrar-me naquele ruído gostoso que ouvi de manhã na minha cama provocado pelo atrito das rodas no piso molhado, mas aqui dentro nem a música de fundo consigo distinguir com clareza. O ruído das conversas sobrepõem-se. A chuva é tema de conversa. São as primeiras ... compreende-se. Fala-se das botas que se foram buscar ao fundo do armário. Da chatice de carregar os chapéus de chuva.
É o Outono que começa. E com ele regressa alguma nostalgia.
A lembrança de Invernos passados! Do aconchego morno dos cachecóis e casacos de lã. O aroma das castanhas assadas. O conforto quando à noite me cubro com o edredão. O capuccino que aquece o corpo e alma. As mantas sobre os joelhos. Tudo isto acorda esta nostalgia dos primeiros dias de chuva!

9 Comments:

Blogger escrevi said...

Como somos diferentes.
Para mim é a alegria dos primeiros dias de Outono, a sensação maravilhosa que é acordar e sentir o quente da cama em contraste com o frio de fora. Os casacos de lã, o conforto do edredão.
É verdade, como eu gosto do frio, do inverno.

Bjs.

8:48 da tarde  
Blogger wind said...

É tal e qual como muito bem escreveste. Também me sinto nostálgica no Outono, a minha estação preferida é a Primavera.
A tua descrição está excelente, vais aos mais pequenos pormenores...mesmo com nostalgia:)
beijos

9:58 da tarde  
Blogger JPD said...

Texto muito bom.
Outono e Primavera são as minhas estações preferidas.
O Outono que realmente me faz acompanhar-te nesse sonho de nostalgias ainda não chegou. Lá para NOvembro é quando estará no ponto.
Bjs

10:07 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Pois é. Ontem, fui muito mais radical no poema que escrevi!! Mas as tuas palavras chegaram completas à minha pessoa! Beijos.

10:07 da manhã  
Blogger aldina said...

Um dia escrevi que a chuva eram anjos a chorar pelos que não têm tempo, nem lágrimas nem coragem para o fazer... desde esse pensamento penso sempre que a chuva quando apqrece está a ser amiga de alguém que precisa. No verão nunca é preciso porque o calor não nos deixa pensar e as lágrimas saem pelo suor quer queiramos quer não!?

Até sempre

2:30 da tarde  
Blogger António Rosa said...

INFORMAÇÃO A TODOS OS PARTICIPANTES DO DESAFIO “QUE É O AMOR?”


Parabéns a si. Vamos ter livro.

58 autores de blogues responderam positivamente ao desafio de escreverem um texto sobre o amor.

Aqui fica o meu agradecimento por ter participado.

Agora começa a parte editorial do livro. E aqui temos o primeiro assunto a ser resolvido.

A maioria dos autores não deu atenção ao meu pedido de se escreverem TEXTOS CURTOS, já que cada autor teria direito apenas a uma página do livro.

Portanto, a primeira coisa a ser feita é reduzirem os vossos textos, assim:

1) Os que escreveram textos corridos podem utilizar até um máximo de 90 palavras.

2) Os que escreveram em poesia podem dispor de um máximo de 16 linhas (versos) com cerca de 8 palavras cada (com os artigos definidos e indefinidos).

3) Podem aproveitar a oportunidade e escrever novos textos, em substituição do anterior e que não saiam do tema “Que é o amor?”.

Lamento o trabalho que terão com estas alterações. Editar, também passa por estas situações.

Na página de cada autor, além do seu texto, aparecerá os seus dados bloguísticos:

- Nome ou nick name que consta no blogue,
- Título do blogue,
- Endereço web do blogue.

A partir de agora, todas as questões relacionadas com o que acima escrevi, devem ser tratado por e-mail.

Meu e-mail: antónio.rosa@anjo-novalis.com


Um abraço e um muito obrigado

António Rosa

5:27 da tarde  
Blogger Éme said...

Ai, mais chuva e edredons, que coisa...mas tá giro.

8:19 da tarde  
Blogger Era uma vez um Girassol said...

Gostei, lembrei, senti o aconchego...Edredon, manta sobre os joelhos, chuva lá fora caindo, mente entorpecida, preguiçosa.
E as castanhas...Huuuummmm....
Sons, toques, cheiros, sentires de Outono...
Obrigada por lembrares, Dulce.
Beijo

10:06 da tarde  
Blogger viajante said...

Castanhas assadas - das puras, verdadeiras - num dia de chuva.

9:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home