quarta-feira, agosto 02, 2006

Reflex(ã)o

Olho-me
distorcida e vaga,
naquele caco de vidro
que por mim passa.
Inerte, eu.
Ele vivo,
(curioso),
seguindo-me,
puxando cada uma das minhas
pontas
e inventando-me de novo.

Eu,
encerrada naquele caco de espelho.
Mantida contra vontade
entre farpas e barreiras.
As saídas cortadas
e a vida à espera.
Camisa de forças
que inventei
e que estupidamente visto.

Apenas o sonho escapou.
Disfarçado de
outra que não eu,
todas as noites me chama
para a Vida.

8 Comments:

Blogger Ana Luar said...

Fabulosamente lindo!

1:32 da tarde  
Blogger wind said...

Despe a camisa de forças tal Houdini e faz do sonho realidade!
Cape Diem!:)
Força:)
Beijos

2:32 da tarde  
Blogger wind said...

*Carpe Diem:)

2:32 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Demasiado triste...triste. Beijos, Amiga.

5:58 da tarde  
Blogger T. said...

O que nos vale são mesmo os sonhos que se escapam e nos chamam para a Vida!
Bj

6:51 da tarde  
Blogger T. said...

Queria ter dito que este poema é uma maravilha de lindo e de verdade!

6:52 da tarde  
Blogger Su said...

jocas maradas de dias melhores

9:07 da tarde  
Anonymous desire e your shell said...

adorei a reflexão...e a musica acompanhando ficou perfeita.

estou esperando sua visita.

beijinhos

desire

3:36 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home