domingo, julho 30, 2006

Abraçando-me

No espaldar do quarto crescente recosto os sonhos caiados de fresco enquanto o lago projecta fluxos de água ao ritmo teclado das luzes.
Sentada à tua frente, observo-te - os olhos claros iluminando o sorriso que idealizei.
Sentado à minha frente observas-me - a cabeça baixa e ligeiramente inclinada sobre o bloco onde rabisco e risco uma prosa que não desvendas.
Apoias o queixo nas mãos num gesto concentrado em que me envolves.
Sinto o teu olhar sobre mim enquanto me perco no horizonte. Sinto a carícia pensada das tuas mãos nas minhas enquanto busco e construo as frases que hei-de colocar no papel.
Sobre o ruído incómodo das vozes sobrepõe-se a tua respiração pausada que adivinho.
Olho através de ti os gestos sonhados e as carícias prometidas.
Consigo ouvir, ditas pelos lábios que cerras, as palavras que me dirias.
Recostas-te colocando os braços estendidos sobre a mesa. Pressinto-os assim em busca das minhas mãos que entretanto se perdem nas palavras.
Rodo a caneta entre os dedos enquanto persigo uns faróis que se deslocam ao longe. Com a outra mão prendo o papel com dedos que se transmutam em aranhas de longas pernas.
Esqueço-me das tuas mãos estendidas. Dissipam-se.
Perco-me dos caminhos que o teu olhar me aponta. Esvaem-se.
Fixo o branco da folha e deixo-me enredar por estes traços azuis que freneticamente desenho.
Quando te procuro, já não estás.
Estás mais além. Recostado no quarto crescente ... abraçando os meus sonhos.

11 Comments:

Blogger axadresado said...

lindo post!
palavras soltas que vooam ao vento....
bjs

11:31 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Não tenho palavras. É muito, muito belo. Beijos.

12:12 da tarde  
Blogger wind said...

Nas tuas palavras entramos de cabeça e quando terminas é um baque, apetece ficar na tua "estória":)
beijos

3:03 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Por mais palavras que se digam e pensem é no silêncio que o amor se sente, cresce e fica para além de mim. Que bom existires, Lua crescente!
Gostei de te ler, sonhar... é muito bom.

3:32 da tarde  
Blogger AS said...

Belissimo texto Dulce!... Gostei muito!

Um beijo

3:34 da tarde  
Blogger José said...

Adorei este abraço de sonho. Para quando um sonho de livro?!
Um beijo duce

5:38 da tarde  
Blogger Paulo Sempre said...

há momentos assim...!!! Vá...sim, vá!!!! ao encontro do sonho quiça.. a realidade pode estar ali ao voltar do próximo quarteirão...
Obrigado pela visita.
Um grande beijo, virtual...claro esta.

Paulo

7:58 da tarde  
Blogger JPD said...

Olá Dulce!

Gostei muito do texto.
Está cheio de sonhos e devaneios que, sendo assim, tão belos, serão benquerentes. Sem dúvida nenhuma.
Muito bom.
(Uma observaçãozinha: cuidados com os "quartos crescentes" vão tão conturbados os dias na orla mediterrânica!)
Bjs

10:53 da tarde  
Blogger escrevi said...

Como sempre um texto maravilhoso.

Um beijo.

2:18 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Como é lindo ler estes textos.

8:51 da manhã  
Blogger saisminerais said...

Quando me sento para escrever tb estico os braços, Mas estes procuram mimos vindos de outras fontes de onde bebo amizade em goles sem respirar pelo curto prazo de lazer concedido.
Beijinhos amiga
Escreves tão bem que fazes alguem ficar assim de modos com pele de galinha ao ler-te!!!

3:37 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home