quinta-feira, julho 20, 2006

Ali ...

Ali no cume o ar era leve e fresco como uma gota de orvalho.
Ali no cume não existia passado ou futuro.
Ali no cume o olhar encontrava o infinito.
Ali no cume não existíamos. Pairávamos acima da vida e para além dela.
Ali no cume o verde dissipava-se na distância ao encontro do azul, e já não era o verde e também já não era o azul.
Ali no cume era a bruma pintada de luz. Era o verde salpicado de Verão. Era o azul num céu de aguarela.
Ali no cume era o silêncio - o silêncio rasgado pelo canto da cigarra mil vezes ampliado por um vale sem fim.
Ali no cume ficou algo de mim, eternamente preso naquele tempo suspenso, calado nas pedras, gravado no infinito que agora já sabe o meu nome.

4 Comments:

Blogger wind said...

Ali no verde inspirou-te ao ponto de escreveres algo sublime!
beijos

11:26 da tarde  
Blogger A. said...

...é para esse "ali" que vou.

está na altura do sossego.
querida Dulce.deixo-te um grande abraço.muito forte.

até já...

1:11 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Tão bonito, Dulce. Sim, quando se chega a esse cume, o nome fica gravado no infinito. Gostei imenso. Muitos beijos.

7:18 da manhã  
Blogger José said...

Ali…
Onde o tempo parou, sem passado ou futuro, a ver o infinito, acima da vida e para além…
Bonito sonho, ou realidade?
Gostei, gosto da maneira como escreves e como retratas as coisas, por vezes simples mas belas, pintadas de palavras tão bonitas, como só tu sabes.
Beijinho duce

11:35 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home