segunda-feira, maio 15, 2006

Em jeito de balanço (nem parece nada meu...)


Este ano completo cinquenta anos. Metade da vida, ou um pouco mais de metade. Isso não me perturba, pelo menos ainda não.
Não me incomoda dizer a idade e assumi-la. Não me incomodam os meus cabelos cada vez mais salpicados de branco que me recuso a encobrir. Não me incomodam as rugas que me sulcam o rosto, também cada vez em maior número. Na aparência mostro a idade que tenho. Nada há a esconder. Estranhas se tornam aquelas mulheres que relutantemente dizem ter 50 anos, mas um rosto reconstruído de 25.
Sou como sou e aceito-me assim. Cheguei àquela idade em que a reconciliação entre o que queria ser e o que sou, já foi feita. Acho que esse "encontro de contas" ocorreu por volta dos quarenta anos e o equilíbrio instalou-se.
Tenho na verdade cinquenta anos mas por dentro não os sinto. A cabeça ainda se povoa de sonhos. Há objectivos que ainda pretendo alcançar. Há seis anos atrás encetei uma tarefa que havia deixado inacabada aos dezanove anos. Voltar a estudar trouxe-me novos desafios que enfrentei e venci. Hoje, de novo inicio uma nova batalha que quero e tenho a certeza de vencer.
Quando entristeço rompem-se os diques mas tenho a força e o optimismo para recomeçar tudo de novo no dia seguinte.
Quando estou feliz, a criança que ainda se esconde dentro de mim, sai para a luz do dia, e brinco e rio como se tivesse quinze anos apenas.
Acordar e ver o sol, sair à rua e ouvir aquelas palavras que se esperam, ter a liberdade de movimentos que preciso, faz com que adormeça em cada dia em paz comigo mesma.
Fazem de mim aquilo que sou hoje - uma mulher mais feliz.

16 Comments:

Blogger escrevi said...

Tu mereces, amiga.
Pela coragem para enfrentar as coisas más, pela amizade sempre disponível, pela paciência para esperar o tempo acontecer, pelo empenho que pões em tudo o que fazes, pelo amor que tens dentro do coração, enfim ninguém mais do que tu merece ser feliz.
És uma grande Mulher!
E eu também fico feliz por saber que te sentes assim.

Um beijão!

2:50 da tarde  
Anonymous manuela said...

Sou como sou e aceito-me assim...Esta simplesmente lindo para nao variar :).
Parabens pelos 50 aninhos...bela idade...cheia de sabedoria concerteza.
Beijos

3:14 da tarde  
Blogger wind said...

Que escrever? Nada. Sorrio:)))) Beijos

5:20 da tarde  
Blogger José said...

Que o outro lado da ampulheta continue a trazer toda a felicidade que mereces, Amiga.
Beijinhos

7:03 da tarde  
Blogger JPD said...

Olá Dulce!

Presumo bem se pensar que nos irás dizer a data do teu aniversário? -- Óptimo!
É sempre bom comemorar o nosso aniversário e sentir que se está bem, que há equilíbrio emocional, alegria, sonho, se dominam melhor as nossas ansiedades e mantemos vivos a catadupa de desejos e projectos que acalentam o quotidiano. Manter este espírito é salutar. Como tens vindo a demonstrar uma tão grande agilidade intelectual, não vejo qualquer razão para experimentar temores ou qualquer insegurança. Valemos pelo que sentimos. As aparências... outro assunto.
Bjs

7:42 da tarde  
Blogger axadresado said...

OLÁ MENINA, PARABENS!
A IDADE SÓ TEM A IMPORTANCIA QUE LHE DAMOS QUE LHE DAMOS.
DESEJO-LHE AS MAIORES FELICIDADES!
BJS

8:52 da tarde  
Blogger estoycomountren said...

Medio siglo...!!!

Qué son 50 años en la vida de una persona. Apenas un esbozo de uno mismo. Yo los rebasé y me siento plena, pletórica, llena, joven con muchos años, pero joven.

Tú, Dulce, siempre serás esa muchachita que hay en ti, soñadora y tierna, llena de sensibilidad. Estás de enhorabuena.

Besos y felicidades anticipadas.

11:00 da tarde  
Blogger Elsa said...

E que bela idade essa minha amiga!!
Que sejas sempre assim... jovem e bonita!
mil beijos e continua sempre com essa tua força ...
:o)

12:18 da manhã  
Blogger travessias said...

Tão bom ter quinze anos...aos cinquenta.

9:31 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Sem dúvida, Dulce. A idade que está no nosso BI nada tem a ver connosco. Nós temos a idade, os sonhos, tudo aquilo que nos tem vindo a encher a vida. Beijos para ti.

9:55 da manhã  
Blogger jorgesteves said...

'...tenho na verdade cinquenta anos mas por dentro não os sinto.' Isso é uma (saudável) inevitabilidade. Que é importante, por isso mesmo. Por ser saudável. Importante como esse ajuste psicológico entre todos os caminhos percorridos, possíveis e impossíveis da nossa vida. Esse equilíbrio é fundamental para que o resto também seja gratificante!
Demais, sorrir como um velho amigo que dizia 'De qualquer forma a Morte levar-me-à contra minha vontade; espero, no entanto, saber morrer com vinte anos.'

12:39 da tarde  
Blogger augustoM said...

Aos cinquenta não se atinge a meia idade, nem se está a caminho da terceira, isso é como os outros nos vêm, a nossa juventude, a que é verdadeiramente nossa aquela que sentimos, não é datada pelos outros.
A conciliação entre o que queremos e o que temos, nunca está feita, devemos manter o sempre activo o nosso sonho, é ele que nos inspira a vida.
Também eu recomecei a estudar por volta dos quarenta anos e nunca mais parei, e quanto mais estudo maior é o desejo de aprender.
Os cinquenta anos é uma idade muito bonita, talvez mesmo a mais importante, a experiência que angariámos, pode ser muito mais bem aproveitada, a vida passa a ter a outra dimensão.
Um beijo. Augusto

1:43 da tarde  
Blogger Carmem L Vilanova said...

Amiga, este teu texto me encantou, como nao imaginas... Acho que estás em uma atitude corretíssima, ser o que és e assumí-lo assim, sem ter nada a esconder, afinal de contas, nada pode ser mais belo do que adquirir, com os anos, a experiência que os que ainda nao viveram o suficiente podem ter... Estou aqui para felicitar-te por estes 50 anos, bem vividos, pelo visto!! Fico feliz por ti e por poder haver-te conhecido!
Muitos beijos, minha querida!

5:43 da tarde  
Blogger AQUENATÓN said...

QUERIDA DULCE !

NUM MOMENTO DE MUITOS SONHOS E AINDA QUE UM POUCO ATRASADOS, AQUI DEIXO COM MUITA AMIZADE, UM BEIJO DE PARABÉNS E VOTOS DE MUITAS FELICIDADES.

A.A

10:00 da manhã  
Anonymous Friedrich said...

A idade, ou envelhecimento das células que nos muda a aparência da pele; os cabelos vai branqueando com a idade, a pele fica mais frágil e enxovalhada deixando a marca do tempo pelo qual nós passámos. Mas o coração continua sempre igual até deixar de bater, é nele que está sempre a verdadeira idade, é onde estão o teus quinze anos adormecidos, e que volta e meia os levas a passear...

Beijos

1:47 da tarde  
Blogger Su said...

lucida e coerente como te imagino
jocas maradas de sonhos e tempo

6:48 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home