quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Abruptamente

Abruptamente caíu. A noite!
Da janela que se abre à minha frente ainda há pouco distinguia o recorte dos prédios que me rodeiam, mas ...
Abruptamente caíu. A noite!
Olhei agora e duplamente me devolve a imagem nas vidraças das janelas.
No breu pairam apenas alguns pequenos rectângulos iluminados.
Faróis na densa escuridão que se criou.
Sinais de vida.
Gritos na noite que caíu. Abrupta!

Como abruptamente se calou a voz.

6 Comments:

Blogger Conceição Bernardino said...

Olá,
“ Somos a ponte para a eternidade,
Formando um arco sobre o mar,
Procurando aventuras para nosso regozijo,
Vivendo mistérios, optando por calamidades,
Triunfos, desafios, apostas impossíveis,
Pondo-nos à prova uma e outra vez,
Aprendendo amar.”
Excerto de “Richard Bach”

É com esta força que renasço todos os dias, para continuar a minha caminhada...
Espero que gostem deste pequeno presente.
Beijinhos, que a escrita nos una!
Conceição Bernardino

http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

9:32 da tarde  
Blogger Pedro Branco said...

Aqui ficam estas palavras de numa noite abrupta:

"A noite brilha-me na memória o cansaço.
Aquece-me nos silêncios o caminho.
Inquietação em cada abraço.
Solidão de ser sozinho.
A noite brilha-me apenas.
Nada me traz..."

Beijo

12:00 da manhã  
Blogger Maria said...

A falta de energia eléctrica acontece, às vezes.

A Voz, se nós quisermos, Nunca se vai calar!

Um beijo

5:59 da manhã  
Blogger escrevi said...

Apesar da tristeza, uma linda descrição de mais uma noite que cai sobre a cidade.

Bjs.

10:05 da manhã  
Blogger aldina said...

Confesso que, para mim, uma voz calada abruptamente é muito chocante!


Até sempre!

1:17 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

ELE-o farol da densa escuridão...
»»»»»»
Água mole Água bendita
Fresca serra
Lava a língua Lava a lama
Lava a guerra
Já o tempo Se acostuma
À cova funda
Já tem cama E sepultura
Toda a terra
ELE) zeca ...
folgo muito, duce !!! dulce.

3:19 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home