terça-feira, novembro 28, 2006

Persistente e monótono

Ouvia-o sempre que se fazia silêncio. Um silêncio absoluto.
Começava devagar, aquele ruído persistente e monótono.
Nesses momentos corria a casa toda, apurava o ouvido em todos os recantos.
Parecia que nascia do nada - aquele ruído, persistente e monótono.
Sem conseguir dominá-lo, tentava abstrair-me, esquecê-lo, mas ele preenchia o meu silêncio de uma forma tão intensa que se tornava impossível ignorá-lo.
Tentei todos os caminhos. Tapei os ouvidos com algodão, cobri-me com a almofada na cama, mas de nada servia. De início parecia que o ruído se diluía para depois retomar o seu lugar preponderante. Persistente e monótono. Parecia até que se formava na minha cabeça!
Enovelado noutros barulhos parecia desaparecer. A televisão e a rádio ou as vozes que subiam da rua, abafavam-no, e quase o esquecia.
Ontem, depois de voltas e mais voltas na cama, firmemente enterrada nas almofadas, consegui finalmente que o sono me abraçasse, mas aquele som persistente e monótono perseguiu-me para além da vigília.
Fortemente consciente da sua presença vi-me reflectida num espelho. Eu estava ali. E era a mim que eu olhava. Idêntico semblante. A mesma postura atenta.
Do outro lado, Ela ... ou Eu ... fitava-me também, o olhar carregado, as sobrancelhas numa linha recta, e a boca - firmemente cerrada - rangendo os dentes. Naquele ruído persistente e monótono que eu tanto procurara.

9 Comments:

Anonymous poetaeusou said...

No filme que ainda não vi.
Enxugo as lágrimas.
Observo do além presente.
Sou eu e não sou.
Estou e não estou.
Sou o reflexo do espelho.
in)Paula Raposo,Canela e Erva Doce)
poetaeusou(persistenteemonótono)

4:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Podia ter sido o primeiro e afinal fui ultrapassado.

COMO É QUE CONSEGUES ESCREVER TÃO BEM?
QUEM É A TUA MUSA?

6:30 da tarde  
Blogger escrevi said...

Que saudades de te ler.

Sempre forte, sempre envolvente, sempre maravilhoso.

Bjs.

7:49 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Para te dizer: não gostei. Beijos, amiga.

8:10 da tarde  
Blogger Maria said...

Um silêncio, um ruído, a insistência, os lençóis, o ruído, o silêncio, o sono, o ruído, o sonho...

Tem uma boa noite, amiga

1:59 da manhã  
Blogger aldina said...

Já me aconteceu com um bicho da madeira intalado no rodapé por trás da cabeceira da minha cama, durante algumas semanas( chega a ser ensurdecedor! )... mas pior ainda é quando a nossa cabeça resolve entrar na rave dos pensamentos, a ideia da confrontação com o espelho é realmente boa!

Até sempre!

Aldina

12:01 da tarde  
Blogger Ana Ramon said...

Uma dor persistente. Um grande beijinho

2:51 da tarde  
Blogger Besnico di Roma said...

Olha!... não é só o que os olhos dela vêem é também o que as mãos escrevem… muito bom. Temos aqui uma menina muito prendada, na volta toca piano e fala francês…
Este comentário um pouco desconcertante é uma tentativa de te pôr bem disposta, descontraída. O teu texto; esse ranger de dentes, não é muito saudável. Eu também sou assim e, o meu escape, são os disparates que digo.
Se me é permitido… um beijito para ti.

6:12 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

A insónia...

9:35 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home