terça-feira, abril 25, 2006

25 de Abril


Aljube, 12-VIII-1939

Queridos Pais:
Sonhei que tinha sido posto em liberdade. Um seco: "Prepare as suas coisas" cortara de repente a monótona tranquilidade da Enfermaria e a maleta com a roupa era-me entregue, acompanhada de supérflua recomendação, regulamentar por certo, pois inúmeras vezes a tinha ouvido fazer, a tanto, tantos, que já nem conto tinham: "Agora despache-se depressa. Não demore, sim?" Foi como se uma chicotada me tivesse vergastado a sensibilidade, adaptada já ao morno ambiente, em que a curva das sensações melhor qualificada seria de recta das sensações. Seria lá possível? Voltar a ter família; voltar a viver momentos de tranquilidade entre os nossos; encher os pulmões à vontade de ar e luz; poder caminhar livremente, entre a balbúrdia azafamada dos passeios; voltar a encontrar seres humanos; poder concentrar a atenção, a um canto do escritório, em leituras agradáveis? Seria lá possível?
O mais depressa que pude, preparei as minhas coisas e, depois das indispensáveis formalidades, encontrei-me na rua. Não sabia o que fazer: se deitar a fugir, se apanhar um táxi ou meter-me num eléctrico. Depois de me apalpar bem como que a certificar-me de que era o próprio em carne e osso, resolvi que um táxi fosse o condutor da minha pessoa até penates, tendo pedido ao chauffeur o favor de rápido andamento.
... Nesta altura, um solavanco mais forte do carro fez-me acordar. Esfreguei com as mãos os olhos estremunhados e um reconfortante espreguiçar pôs ponto final na questão. Tinha sido sonho, afinal.
Levantei-me, lavei-me e aqui estou a escrever-vos este postal, chegado já ao fim do espaço em branco.
Então como vão de saúde? Eu, melhor.
Beijos para todos de seu filho muito amigo
José

(Se o meu tio tivesse sobrevivido à prisão, teria podido festejar connosco o 25 de Abril de 1974.
Preso político durante uns poucos meses, não resistiu aos maus tratos a que foi sujeito, e à doença que o levou à morte. Esta é a trancrição de um dos inúmeros postais que escreveu aos meus avós - e das poucas recordações que dele possuo. )

15 Comments:

Blogger absolutely said...

Obrigada pela partilha. Fiquei chocada.

2:31 da tarde  
Blogger zecadanau said...

Um abraço de liberdade e fraternidade universal nesta data memorável.

Um @bração do
Zeca da Nau

2:44 da tarde  
Blogger Benjamim Gil said...

É por isto que vale sempre a pena recordar a LIBERDADE. Abraços

3:44 da tarde  
Blogger augustoM said...

Dulce já pensaste na sensação que um preso, e quanto há mais tempo estiver maior será, deverá ter quando é libertado?
Deve ter a sensação de estar nu, com a vontade de vestir toda a roupa do mundo.
A liberdade só faz sentido para quem a perdeu.
Um beijo. Augusto

4:09 da tarde  
Blogger escrevi said...

Comoveu-me muito.
O teu tio José merece, como todos os outros que lutaram contra o fascismo, todo o nosso reconhecimento.
Eles desbravaram o caminho que nós agora percorremos.
O documento histórico que tens nas mãos é um orgulho, porque é um símbolo, da coragem, da determinação e da capacidade de sonhar, que eles sempre mantiveram.

"Sempre que um homem sonha, o mundo pula e avança".

Um beijo grande.

5:43 da tarde  
Blogger wind said...

Perante o que li e o que escreveste, não sei o que escrever, deu-me uma branca. Lamento. beijos

6:26 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

Tenho cartas semelhantes, escritas pelo meu tio.

Chorei.

Beijos

7:48 da tarde  
Blogger wind said...

Voltei para comentar, agora mais a frio, porque há bocado emocionei-me, não vou escrever o clichet que ..., mas sim que ao ler novamente a carta do teu tio, apeteceu-me agarrar na cabeça dele, colocar no meu colo e fazer-lhe festinhas na cabeça. Beijos

9:25 da tarde  
Blogger AQUENATÓN said...

E eu tenho ainda na memória, a cela onde, injustamente, me meteram durante 24 horas, na Sede da PIDE, para averiguações, só porque era assinante das revistas

SEARA NOVA
e
O TEMPO E O MODO.

Bji

11:09 da tarde  
Anonymous Dra.Daniela Mann said...

Olá Dulce,
O seu blog é sensacional!
Gostava muito de ter este link, mas no meu blog são os visitantes que se linkam. Por isso e se for da sua vontade, venha até ao Amar-ela e clique no logotipo do "Páginas Amar-ela", (o dos morangos), para fazer o seu registo e adicionar o seu blog.
Tinha mesmo muito gosto em receber o seu link!
Um abraço amigo,
Daniela

12:13 da manhã  
Blogger luis manuel said...

“Sobre esta página escrevo
O teu nome: liberdade.”

(são as últimas linhas que retiro do poema de Manuel Alegre)

Hoje comprei “aquele” jornal, na expectativa de encontrar uma edição em que o dia fosse o destaque. Não foi só no dia mundial do livro. Hoje nem uma pequena referência que fosse em primeira página. Certo que havia um caderno especial, mas só lá para o meio… Já lá vão tempos em que…

Estamos cá nós !
A lembrança da liberdade conquistada em Abril.
A memória daqueles que não puderam atingi-la.

Lembro palavras de Salgueiro Maia : “ A liberdade é um combate interior”


Um beijo, amiga

12:52 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Arrepiei-me Dulce. Não tenho palavras, não. Beijos.

10:12 da manhã  
Blogger Ana Fundo said...

Dulce,
Gostaria de te pedir um favor, caso quisesses...achas que poderia publicar uma das cartas do teu tio no Jornal da Associação? sobre o tema de Abril?
Amanhã falo com o director do Jornal, se ele concordar, e tu também, acho que era uma forma Honrar a Memória do teu tio e de todos aqueles que foram oprimidos durante o facismo!!!
Depois diz alguma coisa...
Beijos
Ana Paula

10:05 da tarde  
Blogger travessias said...

Tocante!

7:01 da tarde  
Anonymous lutoporqueacredito said...

É assim...
só quem acredita pode sentir cada palavra do teu tio como um sopro de estímulo para lutar para que nunca ninguém mais cale a liberdade...
mas elestentam, cara amiga...eles tentam...

5:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home