segunda-feira, setembro 17, 2007

Estranheza

Texto retirado

21 Comments:

Blogger A. Jorge said...

Li e reli embevecido, todos os passos que relatas na autentica obra de arte que acabas de publicar!

Abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

11:40 da tarde  
Blogger Maria said...

Como eu te percebo...
... o vazio... a ausência....

Beijo, Dulce

11:51 da tarde  
Blogger Mariamar said...

olha, tem calma... se precisares eu estou aqui, lembras-te?!
um bj enorme!

12:10 da manhã  
Blogger AnaG. said...

Só sei dizer que gostei de te ler...

Boa semana

Beijitos

12:27 da manhã  
Blogger mfc said...

A dor tem sempre o seu lugar, mas há recordações bonitas a recordar como por exemplo aquela ali do post em baixo em que aquela que te falta dizia "era a bébé mais bonita naquela maternidade",,, e olha que tinha razão!
Um beijo e parabéns pelo aniversário.

12:38 da manhã  
Anonymous o sal da nossa pele said...

Deixo um abraço, fique bem...

1:57 da manhã  
Blogger butterfly said...

Gostei muito do que li.
Voltarei

3:50 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

Dulce, amiga!

Esse vazio ir� perdurar mas temos de continuar minha amiga. Outros precisam de n�s. E est�o � nossa beira.
Beijinhos

7:50 da manhã  
Blogger Rui Caetano said...

O teu texto est� muito bonito, consegue-se ler a tua ang�stia, o teu sentir profundo est� em cada palavra que escreves.

9:10 da manhã  
Blogger Ana Fundo said...

Beijosssss e até logo :-)))))

9:46 da manhã  
Blogger Vladimir said...

há que acreditar e continuar em frente, preenchendo a vida...

2:56 da tarde  
Blogger já deve existir said...

Algo especial a tua escrita
bloco de notas com cheiro a alecrim
gostei
Vou voltar

4:28 da tarde  
Blogger bettips said...

Deixei o meu desejo, atrasado, nos teus anos. Como seria juntar as "estranhezas", as "solidões", as "esperas"? Um eterna pergunta...

4:45 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
mudo de sitio
o meu velho buda
,
»»»O conhecimento coroa os esforços com o êxito«««.
,
Textos Budistas
,
ji
*

4:48 da tarde  
Blogger Isabel said...

À espera que a espera acabe.
Há esperas que por mais que se vivam se estranham sempre.
Ainda bem que continuas à espera.
Esperar é ter esperança.
Houve alturas na minha vida que nem esperava e quando nada se espera, quando o silêncio é o som mais escutado e já não sabemos se é bom ou não porque nos habituamos a ele não há nada... apenas tu sosiza com a tua própria solidão.
Tu esperas
Tu procuras-te
E nessa esperança do fim da espera encontraras o que tanto esperaste.

Um abraço gigante para ti

Isabel

5:54 da tarde  
Blogger wind said...

Maravilha de prosa, onde se sente o que sentes.
A espera um dia deixa de o ser e fica presença:)
Beijos

11:24 da tarde  
Blogger Pepe Luigi said...

Dulce, tens um dom muito especial no toque da escrita. Em cada frase sente-se a grande força do teu sentimento em parceria com uma habilidade profunda que nos faz permanecer colados à tua explêndida narrativa.

Uma noite descansada e um beijinho muito terno para ti.

11:44 da tarde  
Blogger Fernanda e Poemas said...

Dulce,li com muita atenção o teu texto.
E apesar de um pouco sózinha, não sinto que se possa usar a palavra solidão.
" Onze horas, de novo à espera "
Dulce amiga procura no teu coração,
a força que necessitas para olhares para a cadeira vazia e não ficares triste.

Muitos beijinhos,

Fernandinha

1:05 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
Fiz-lhe uma festa e segredei-lhe algo ao ouvido.
*
xi
*

7:52 da tarde  
Blogger Vanadis said...

Um texto incrivel, uma escrita inesquecivel. Uma boa catarse, espero,

9:45 da tarde  
Blogger Pepe Luigi said...

Que se eternize a ternura e a lucidez dos teus sentimentos!

Beijinho

11:29 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home