segunda-feira, junho 05, 2006

Poema do poste com flores amarelas

Vieram os operários, puseram o poste de ferro na berma do passeio
e foram-se para voltar noutro dia.
O poste tinha sido pintado há pouco de verde
e quando lhe batia o sol rutilava como as escamas dos dragões.
Mesmo junto do poste, no passeio, havia uma árvore que dava flores amarelas,
e o vento fez cair algumas flores amarelas sobre o poste verde.
As pessoas que por ali passavam diziam "que chatice de poste",
mas o poeta sorria para as flores amarelas.

GEDEÃO, António, Obra Poética, p. 141

(No Dia Mundial do Ambiente)

10 Comments:

Blogger José said...

Existe sempre maneiras diferentes de ver as coisas. Nem todos conseguem ver pelo lado mais belo.
Um beijo acompanhado de uma flor, amarela

8:16 da tarde  
Blogger augustoM said...

Quando queremos vemos sempre o que queremos. Para uns um poste estúpido para outros um poste florido.
Um beijo. Augusto

9:03 da tarde  
Blogger wind said...

:)))) beijos

10:07 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

Dia mundial do ambiente :))só para rir...lembráste bem. É preciso haver um dia, os outros dias: ambiente não existe.

beijos, Dulce

10:11 da tarde  
Blogger escrevi said...

Muito bonito o poema.

Um beijo.

10:18 da tarde  
Blogger kaiser said...

Gostei muito do seu blog. Parabéns.
www.auto-poetico.blogspot.com

1:41 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

E como os Poetas são seres belos! Beijos.

8:44 da manhã  
Blogger travessias said...

E mais uma vez a pensar que o Poema era teu...
Porque sei que escreves assim.

9:58 da manhã  
Blogger jorgesteves said...

Uma boa (dupla) homenagem: ao 'Dia' e ao Gedeão; ou às flores amarelas e ao poeta...

amizade,
jorgesteves

12:34 da tarde  
Blogger vero said...

Olá querida amiga, como estás?
Peço desculpa pela minha ausencia.... desculpa!!!
Beijinhos muitos para ti e conta coisas, ok? ;)
***

2:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home