terça-feira, março 07, 2006

...


"Minha querida, se fosse possível voltar de novo ao princípio, nada havia que quisesse mudar, só queria ficar mais tempo nesse tempo em que ainda sabíamos tão pouco um do outro, em que os nossos corpos desconheciam tanto de si próprios, em que entrávamos num mundo novo que nós dois fazíamos sem saber como, mas fazíamos com gestos e palavras enquanto o mundo todo morria à nossa volta."

PAIXÃO, Pedro, "Amor portátil", Livros Cotovia, 1999, p.52
(Foto em www.olhares.com)

6 Comments:

Blogger Paula Raposo said...

Belo!! Palavras cheias de sentido...Beijinhos, Dulce.

12:09 da tarde  
Blogger augustoM said...

Por a hipótese de voltar ao princípio,é aceitar que alguma coisa correu mal, mas de nada serviria contra ao que o destino escolheu para nós.
Um beijo. Augusto

1:26 da tarde  
Blogger wind said...

Como é nostálgico pensar no princípio de uma relação. beijos

5:46 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

Grande Pedro.
Acerca da pergunta deixada no meu blogue há algum tempo, é verdade que não gostei mesmo nada do último livro do Pedro, isso não invalida que continue a achá-lo notável, a ele. Tenho todos os seus livros, neste último falta-lhe qualquer coisa. Depois me dirás.

Eu acho que ele escreve como nós pensamos, e isso é o melhor que posso dizer dele.

Beijos

6:24 da tarde  
Blogger JPD said...

Só na aparência é que poderia ser admitida a »Paixão dos inocentes...» porque se há coisa alheia à construção do PP é inocência. Haverá lirismo, emoção, entrega, tudo. Inocência, não!
Belo texto.
Bjs

12:51 da manhã  
Blogger luis manuel said...

O princípio, aquele tempo em que da descoberta, se desenvolve e se apura o sentido.
Os sentidos.
O contacto do corpo, o toque que explora, o gesto que sensibiliza, as palavras que seduzem.
No príncipio, os sentidos.
O mundo à volta, não existe.
No príncipio, os afectos.
Como se viesse do primeiro dia. E esse fosse o primeiro do resto da vida.
E desse modo a viagem da vida, completa-se.
E sente-se a voz do impossível. E de novo o avanço.
Após o príncipio, volta a descoberta.
Em cada passo, em cada gesto, nas palavras.
E reiventa-se o amor.
Nas esquinas da cidade, com os olhos e coração repletos de fome de ternura.
O entendimento, no silêncio de mãos dadas.

Um beijo, amiga

9:07 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home