terça-feira, dezembro 05, 2006

Barco eu sou!


Barco eu sou!
Velas enfunadas enfrentam ventos contrários.
O leme firme em direcção ao Futuro.

Barco eu sou!
Abrigo seguro e casca de noz.
Umas vezes manobro com firmeza. Outras vogo à deriva.
No balanço lento da vida lanço âncora.
Nos temporais, arrasto-me até seguro porto.

Barco eu sou.
No porão, aninhados os sonhos de tantas viagens.
No leme gravada a rota que escolhi.
E o porto que espero ... tão perto e tão longe !

(Foto de J.)

9 Comments:

Blogger Paula Raposo said...

Gostei. Prefiro ser mar...mas às vezes sou barco. Outras vezes, nem sei o que sou. Beijinhos.

8:31 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

Gosto bastante!
Beijos

10:16 da tarde  
Blogger DE PROPOSITO said...

Barcos todos nós somos. Só que o rumo é incerto. E o facto de o traçarmos não significa que seja esse, pois o que está à frente é sempre uma incógnita. Essa é a parte interessante da vida, o não se saber o dia de amanhã, o momento que se segue.
Fica bem.
Beijinhos para ti.
Manuel

10:01 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

E, por vezes, quando alcançamos um porto, queremos logo partir para alto mar, não é assim?
Tão verdadeiras as tuas palavras.

Beijinho

P.S. O livro vale pela perspectiva humanizada dos descobrimentos...o herói individual, neste caso, a heroína.
(Com tantos livros bons e com tão pouco tempo, a escolha é um tormento!...)

11:00 da manhã  
Blogger Besnico di Roma said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

2:37 da tarde  
Blogger mfc said...

tODOS QUEREMOS LARGAR... MAS HÁ UM DIA EM QUE QUEREMOS REGRESSAR AO PORTO!

2:53 da tarde  
Blogger Besnico di Roma said...

Ao leme uma mão firme para manter o rumo e ceder à tentação de voltar para trás.
Ao leme, seguindo em frente, mantendo o rumo, seguindo uma rota que não foi traçada, aconteceu assim. Regressar é impossível, porque do porto de saída já nada resta.

2:56 da tarde  
Anonymous poetaeusou said...

BARCO É...
Defrontador.
Dos perigos do Mar.
E seus Abismos.
Mas foi sobre eles.
Que alguem espelhou o Céu!
Como na Vida.
Nada tem sentido.
Com Leme e Rumo.
Naufragamos.
Nas mansas Enseadas.
E atracamos.
No almejado Porto Seguro.
Atravessando.
Tormentas e Procelas.
È. O Barco. Eu. Nós !!!
poetaeusou(semsentido)

4:10 da tarde  
Blogger Su said...

sou o mar....o mar...com marés...

jocas maradas de maresia

7:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home