segunda-feira, janeiro 16, 2006

Quero tudo porque tudo posso querer

Quero tudo porque tudo posso querer.
Não quero as coisas comezinhas
Costumeiras, usuais.
Quero ser universo
Não casa.
Ser via láctea
Não estrada.
Ser grito
Não rumor.
Quero tudo porque tudo posso querer
Mesmo que em troca receba uma mão cheia de nada
Mesmo que seja pó e não estrada
Mesmo que seja só mesmo rumor.
Quero tudo porque tudo posso querer
Porque tenho o desejo dentro
De voar mais veloz do que o vento
De rugir mais que qualquer tempestade
E de deixar marcas
A minha
E que me lembrem quando não for
Como quem tudo queria porque tudo se pode querer
Como quem ninguém limitou dentro
Mesmo ouvindo dela só o rumor

Encandescente, Colecção Polvo, Novembro, 2005, p.59,60

5 Comments:

Blogger wind said...

Poema difícil, mas com garra.beijos

2:20 da tarde  
Blogger AS said...

UM lindo poema!... gostei muito!

3:21 da tarde  
Blogger augustoM said...

Lá diz o ditado popular. Não se deve ser pobre no pedir.
Um abraço. Augusto

9:22 da tarde  
Blogger AQUENATÓN said...

Tudo quanto pedires, te será dado!
Querer, é poder!
Quem corre, sempre alcança !

Mas, cautela ...

QUEM TUDO QUER, TUDO PERDE !

( VOX POPULI )

Bji

11:43 da tarde  
Blogger José said...

Querer é fácil!
Difícil, o executar.
Poema muito lindo.
Bjs

10:25 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home